quarta-feira, 31 de outubro de 2007

ANGELINA GLORIOSA

Versão de Carreiras (concelho de Portalegre), recitada por Ana Fernandes Martins, nascida em 1913 e falecida em 1997. Recolhida por Maria da Liberdade Alegria Bruno em 1985. Transcrição de Ruy Ventura.


Andorinha gloriosa
Tão formosa c'm' à rosa,
Quando Deus quis nascer
Toda a Terra esclareceu.
Veio o anjo São Gabriel
Procurando p'la pastorinha.
- Pastorinha do bom dia!
Já lá vem Santa Maria
Por aquele perro cão
Rezando uma oração
C' o seu livrinho na mão.
Nem pus a mão na cruz,
Nem disse "Amen Jesus".
Mas anda cá Luís Teixeira,
Que serás meu embaixador.
Vás além àquele castelo,
Qu' hás-de ver um mouro perro.
Procura-lhe se é cristão.
Se ele disser que não,
Pega no teu cutelo,
Espeta-le no coração.
Ó cutelo para estimar,
Tem as relicas do perdão
Com que foi aseteado
O mártir São Sabastião.

quinta-feira, 18 de outubro de 2007




MOSTEIRO DA PROVENÇA DE VALE DE FLORES
(Ribeira de Nisa, Portalegre)

Vem de longe a presença de eremitas no território dos concelhos de Castelo de Vide, Marvão e Portalegre. Embora as referências documentais mais antigas remontem ao início do século XIV, a presença deste tipo de religiosos pode recuar pelo menos até à época muçulmana, se nos recordarmos do sítio arqueológico existente no ponto mais alto da serra de São Mamede, onde o achado de uma lápide com caracteres árabes levou alguns investigadores a colocar a forte hipótese de aí ter existido um “ribat“ fundado pelo movimento sufi. “Mamede” pode ser, aliás, uma adaptação portuguesa do nome do profeta do Islão. O santo era ainda um dos mais cultuados entre os moçárabes (cristãos arabizados), no período anterior à reconquista. Outros locais, alguns decerto mais tardios, mostram também vestígios de uma vida eremítica intensa, elevando muitos locais dos concelhos supracitados à categoria de “desertos”, tão propícios a uma entrega religiosa radical. A título de exemplo, citemos apenas São Gens, São Miguel e São Paulo (na serra de Castelo de Vide), São Tomé, São Mamede ou São Domingos dos Fortios (em Portalegre).

O mosteiro da Provença de Vale de Flores, situado no sopé da Serra de Frei Álvaro, na actual freguesia da Ribeira de Nisa (Portalegre) não terá nascido, portanto, como fenómeno isolado no seu contexto geográfico e religioso. Terá nascido antes como fruto do espírito de um lugar que, com as suas matas de carvalhos (ainda hoje densas), seria propício ao isolamento contemplativo. Estava, além disso, suficientemente perto das vias de comunicação para permitir a recolha de recursos, através da esmola dos transeuntes
que circulariam nos caminhos de Marvão e de Castelo de Vide, em cuja proximidade foi edificado.
A Provença tem no entanto uma vantagem sobre todos os outros sítios possivelmente ligados a uma vida religiosa eremítica: enquanto os seus irmãos navegam no território das hipóteses, dada a escassez documental e a inexistência de prospecções arqueológicas, toda a sua vida está razoavelmente documentada.






Não sabemos em que época se instalaram no “Vale de Flores” os primeiros eremitas. Quando em 1375 o rei D. Fernando doou a Fernão d’ Álvares Pereira, irmão do Santo Condestável, o “lugar dos proves” (isto é, “dos pobres”, nome pelo qual eram conhecidos os monges dependentes do mosteiro de São Paulo Eremita, na Serra de Ossa) – como recompensa pelos serviços prestados e a prestar por seu pai, frei Álvaro Gonçalves Pereira, prior da Ordem do Hospital –, já a presença dos religiosos é colocada no passado. Não sabemos que utilização deu Fernão Pereira ao território doado, embora pensemos que se lhe deve a construção da “Torre da Vargem”, ainda hoje existente nas proximidades. Falecido em finais de 1384 num ataque frustrado de seu irmão ao castelo de Vila Viçosa, integrado na crise de 1383-85, “Vale de Flores” passa para as mãos de sua mãe, Iria Gonçalves do Carvalhal.
Matriarca de uma família ligada espiritualmente aos “pobres da Serra de Ossa”, Iria decide devolver o lugar aos monges que aí haviam habitado noutros tempos. Em 1385 resolve doá-lo a João Espartim e a Gonçalo da Beira, “da pobre vida”, para aí construírem um eremitério. Nessa altura, a propriedade dividia pelos muros que fizera “Álvaro da Prata [ou de Prates] da vida pobre”, referência que fornece não só provas de uma utilização monacal anterior (isolada, mas aparentemente sem edifício religioso específico), mas também indícios que permitem explicar o topónimo “Frei Álvaro”.
Esta devolução-doação a dois “pobres” vindos dum eremitério em Cabeço de Vide não foi no entanto pacífica. Em 1397 já o mosteiro estava construído. Nessa data, a pedido dos frades, o rei D. João I necessitou no entanto de confirmar a doação de D. Iria Gonçalves, alvo da oposição dos homens-bons do concelho de Portalegre. Tratava-se, afinal, de uma terra reguenga – e, normalmente, só após conflitos mais ou menos intensos os municípios se resignavam à sua passagem para mãos particulares. Terá sido esse o motivo do primeiro abandono dos frades, anterior a 1375? É provável.
Não sanada a demanda, já no início do século XV a mãe de Nuno Álvares Pereira vê-se obrigada a passar nova carta de doação, dessa vez em benefício de frei Simão, pobre da Serra de Ossa, que em 1412 (?), na igreja da Madalena, a apresenta ao juiz de Portalegre, exigindo a sua execução. Desgostados talvez com este conflito e com a má recepção das autoridades municipais, os monges “da pobre vida” abandonaram o local por volta de 1436. (Nada mais conhecemos da vida do mosteiro durante o meio-século de eremitismo paulista. Sabemos apenas que nele morreu e foi sepultado D. João de Castro, bispo português de Tui, após ter tomado hábito na Serra de Ossa e se ter tornado visitador da ordem em 1376, tendo-lhe doado paramentos e alfaias litúrgicas.)
D. Duarte resolveu então doar “Vale de Flores” à Ordem de São Jerónimo de “Perlonga” (Penha Longa, Sintra) para aí edificar uma nova fundação subordinada à sua regra. Seu filho, D. Afonso V, tentando fixá-los, deu-lhes protecção real e coutou-lhes propriedades nas proximidades do mosteiro e, até, em Castelo de Vide. A atitude do rei não foi no entanto suficiente para conservar os jerónimos durante muito tempo, dado que deixaram a propriedade em 1467. O pai de D. João II ainda devolveu a Provença aos pobres de São Paulo da Serra de Ossa, dando-lhe todos os privilégios atribuídos à casa-mãe, mas ainda nesse ano foi restituída pelos frades ao monarca, invocando diversas dificuldades (talvez ligadas à difícil convivência com as autoridades locais).
Em 1500 o mosteiro de Vale de Flores estava despovoado, na posse de um caseiro do convento de São Francisco de Portalegre. Um acordo entre os frades menores e os da pobre vida levou à restituição da propriedade aos paulistas que, segundo tudo indica, não a terão voltado a habitar. É nessa época que entra na história da Provença o bispo da Guarda, D. Jorge de Melo. Segundo conta o Tratado da Cidade de Portalegre (1619), querendo edificar nessa região um convento de freiras cistercienses, terá pensado em construí-lo nesse local. De acordo com as informações recolhidas pelo padre Diogo Pereira Sotto Maior, adquiriu a propriedade, que “pertencia à igreja”, a quem a possuía (os frades da Serra de Ossa). Apesar de entretanto ter decidido levantar o mosteiro de Nossa Senhora da Conceição no sítio da Fontedeira, em Portalegre, fez na “província de Sam Brás”, “quinta sua”, “grandes edifícios” e uma “igreja de novo”. Os imóveis estavam contudo “quasi arruinad[os]” na segunda década do século XVII (cf. Sotto Maior, 1984: 111-112).
A igreja assim permaneceu até aos nossos dias, bem como parte da cerca monástica. A casa de habitação e arrumos anexos mantiveram-se de pé e foram sendo utilizados pelos rendeiros dos sucessivos proprietários. Recentemente, a propriedade foi adquirida pelo engenheiro João Guerra Pinto, que a restaurou e ampliou (com grande respeito pelo património aí remanescente), tranformando-a numa unidade de turismo rural.

"Provença” significava, no vocabulário dos Pobres de São Paulo da Serra de Ossa, “eremitério” ou “mosteiro”. A Provença de Vale de Flores (topónimo muito belo que, infelizmente, se perdeu em parte) é constituída por um conjunto de edifícios que rodeiam um pátio rectangular onde se observam vários afloramento graníticos. A entrada faz-se a poente, pelo arco da cerca, que ocupa o extremo dum alto muro de alvenaria sem reboco. À esquerda, há vestígios dum estreito corredor, ao fundo do qual, a nascente, se ergue a entrada do que sobra da igreja – constituída por nave, capela-mor e sacristia (tendo o corpo aproximadamente o dobro do comprimento da ousia quadrangular). À esquerda do templo, segundo uma tradição veiculada pelos antigos rendeiros da quinta, situar-se-ia o cemitério dos monges. Não sabemos onde se elevariam a habitação dos frades e as restantes dependências necessárias à vida comunitária; suspeitamos porém que ocupariam o terreno onde mais tarde foi edificado o solar do bispo D. Jorge de Melo.
As ruínas e edifícios aí existentes permitem-nos reconhecer várias fases de ocupação do lugar. Apesar de, junto ao pórtico da igreja, existir uma inscrição (funerária?) romana, não é possível recuar no entanto para além da Baixa Idade Média (a lápide terá vindo, como muitas outras, da cidade de Ammaia, existente a poucos quilómetros).
Não existem quaisquer vestígios físicos da presença dos eremitas “da pobre vida” anterior a 1375, embora esteja documentada. Se algo existe dos muros construídos nessa época por frei Álvaro da Prata ou de Prates (delimitadores da propriedade ou do espaço de reclusão monástica, como ainda hoje se verifica no mosteiro “velho” da Arrábida, em Setúbal), só os arqueólogos o poderão descobrir.
Do mesmo modo, nada se pode achar da utilização da Provença pelo irmão de Nun’ Álvares, Fernão Pereira, entre 1375 e 1384-85. Segundo pensamos, a residência do filho de Iria Gonçalves do Carvalhal situar-se-ia nos limites da propriedade, junto da ribeira e do caminho de Castelo de Vide, no edifício com traços senhoriais hoje denominado “Torre Alta”, já na freguesia de Carreiras.
À segunda ocupação dos monges “da pobre vida” (1385-1436) se deverá, pelo contrário, a construção do pórtico axial da igreja, cuja cronologia (primeira metade do século XV) parece coincidir com a da sua presença, iniciada por frei João Espartim e frei Gonçalo da Beira. Estamos perante uma interpretação popular dos modelos góticos da época, nascida das mãos de um artífice regional, com enormes afinidades com alguns portais do bairro gótico de Castelo de Vide. Trata-se de uma peça de pequenas dimensões, a que falta uma das ombreiras chanfradas. É constituída por um arco quebrado de cantaria, emoldurado por toros finos e boleados; assenta sobre duas impostas decoradas por aquilo que parece ser um pequeno rosto humano, de que nascem ramagens estilizadas. (Existe ainda na quinta uma laje granítica com a forma de um hexágono irregular que, segundo a tradição, terá sido o primitivo altar da igreja; a ser assim, pertencerá talvez a esta época).
O arco da capela-mor – quebrado, com esquinas cortadas, assente sobre impostas pouco pronunciadas, quase sem decoração, que coroam pilares também chanfrados –, sendo mais tardio, deverá ter nascido já da presença dos frades jerónimos (1436-1467). À esquerda do portal da cerca, há ainda restos de um brasão ou monograma, em mármore branco, cuja coroa revela feições que apontam também para essa época.
O regresso do mosteiro à posse dos eremitas da Serra de Ossa, ocorrido em 1467 (e que se prolongaria até ao século XVI), não deixou quaisquer marcos patrimoniais, dado que nunca terão voltado a habitá-lo. Terá havido um abandono acentuado, que levou o proprietário seguinte a ter de promover obras profundas.
A maior parte das construções habitacionais – sobretudo aquelas que deram origem ao actual estabelecimento hoteleiro – são devidas à acção construtora do bispo D. Jorge de Melo, que terá comprado a propriedade na época em que se iniciou a edificação do mosteiro cisterciense de Portalegre, por ele promovida a partir de 1518. Assim o mostram as portas e janelas em granito dessa época, cuja verga recta se apresenta ou chanfrada ou com decoração geométrica muito simples. A sua intervenção na igreja não deverá ter sido, contudo, tão intensa quanto Diogo Pereira Sotto Maior faz crer no seu Tratado. Não se terá construído um templo novo, mas apenas remodelado o existente, elevando-se talvez a altura do espaço destinado ao celebrante e dotando-o de abóbada nervurada em tijolo (de que ainda restam vestígios), assente sobre mísulas graníticas sem decoração. A intervenção episcopal terá também modificado a entrada da cerca, substituída por um arco abatido, que ainda se pode observar, ladeado pelo brasão dos Melos em mármore (de que sobram fragmentos).
Com a morte de D. Jorge, a igreja terá sido progressivamente abandonada, estando quase arruinada nas primeiras décadas do século XVII. Nessa altura terá sido levada para o templo paroquial de Nossa Senhora da Esperança, na Ribeira de Nisa, a imagem do padroeiro – o bispo São Brás, segundo afirma Sotto Maior – que, tanto quanto sabemos, ainda aí se encontra, embora anónima. As casas de habitação e os arrumos devem ter continuado a servir.
Já do século XVIII será o tanque-fontanário, ladeado por dois poiais, existente nos arredores do solar. Dessa época serão ainda os vestígios de um forno de cozer pão, situados entre a fachada principal das ruínas da igreja e o muro da cerca monacal.Já no início do século XXI, como se afirmou anteriormente, a quinta foi adaptada a funções hoteleiras. Acrescentou-se uma nova ala a nascente, restauraram-se os edifícios habitacionais (onde foi descoberto um silo talvez medieval) e respeitaram-se, valorizando-as esteticamente, as ruínas vindas do passado.

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

CANÇÃO DO PALÁCIO DA AJUDA


Versão de Portalegre/Arronches, recitada por Jacinta Garção Cleto, nascida em 1910. Recolhida e transcrita por Nicolau Saião cerca de 1976.


Belo Palácio da Ajuda
palácio de grande altura
casa cheia tem fartura
não sou só eu que o digo
corre a galinha ao trigo
e a fama é dos pardais
albardas sem atafais
e selas sem terem estribos
na praça se vendem figos
p’ra contentar os rapazes
no mar andam alcatrazes
também lá andam gaivotas
menina das pernas tortas
todos lhe chamam canejos
vão-se as sezões com os desejos
e as feridas com unguento
mói o moinho de vento
e tece a teia a aranha
esta cantiga é tamanha
não tem princípio nem fim
um raminho de alecrim
que se dá aos namorados
as armas são pr’ós soldados
também são pr’ós caçadores
triste de quem tem amores
bem ligeiro tem de andar
a gaita é para tocar
o pente é para a cabeça
menina não endoideça
que se pode dar por feliz
tem um tamanho nariz
que lhe chega até ao seio
que tem mais de palmo e meio
criado com tanto vigor
que muita gente lho tem gabado
pr’á bigorna dum ferrador.

sexta-feira, 12 de outubro de 2007


IGREJA E CONVENTO DE SANTA CLARA
(Portalegre)


Segundo rezam as crónicas dos franciscanos portugueses, o mosteiro de Santa Clara de Portalegre foi fundado na segunda metade do século XIV por Maria Fernandes e Elvira Anes, senhoras que em casa particular "se occupavam em devotos e espirituaes exercicios, pelos quaes conseguirão de Deos a santa inspiração, que as moveo a tão boa obra".
Socorrendo-se do auxílio do rei D. Fernando, conseguiram para assento da casa conventual a doação em 1370 dos paços reais e de uns banhos anexos. Foi-lhes dada ainda autorização para "tomarem todas as casas contiguas ao mesmo Palacio, e que se pudesse tapar as serventias das ruas, que lhes fossem precisas para a fundação". Alvo de contestação na então vila, o alvará que isto determinava foi confirmado pelo rei "Formoso" em 21 de Março de 1377, pela rainha regente D. Leonor Teles de Meneses em 1383 e por D. João I em 12 de Fevereiro de 1433.
Construída a habitação monástica, a igreja foi dedicada em 1389 por Francisco, Bispo da ordem franciscana, o qual consagrou o altar mor do templo a Santa Clara e a Santa Bárbara. Eram padroeiros da igreja os reis de Portugal.
O convento de Portalegre pertenceu até 1534 aos Padres Claustrais, data em que passou para os Observantes. Em 1537 voltou à primeira obediência, assim se conservando cinco anos - até 1542, ano em que D. João III conseguiu do papa Paulo III a reforma dos Claustrais, passando definitivamente para a jurisdição dos religiosos observantes da Província dos Algarves da Ordem de São Francisco.
Visitado por Filipe II de Espanha quando se deslocou ao nosso país, um breve de Paulo V datado de 1615 e aplicado em 1620 fixou em sessenta o número de freiras do mosteiro.
O edifício recebeu várias alterações e acrescentos nos séculos que seguiram a construção, embora as de maior vulto se devam ao século XVI e a finais de setecentos (1797), altura em que a abadessa Rosa Joana de São Francisco de Assis deu ao interior da igreja a feição rococó que ainda hoje apresenta.
Extintas as ordens religiosas a partir de 1834, por morte da última abadessa foi transformado em recolhimento de senhoras pobres. Nos primeiros quartéis do século XX foi ocupado por instituições de assistência social. Depois de 1974 serviu de abrigo a várias instituições culturais de Portalegre. Restaurado, o convento de Santa Clara abriu em 1999 como Biblioteca Municipal do concelho.

*

Recuperado para as funções culturais que desempenha neste momento, o espaço conventual reflecte as múltiplas vicissitudes a que esteve sujeito na sua arquitectura ao longo dos vários séculos da sua história.
Da construção original, erguida nos primeiros anos da dinastia de Avis, podemos ainda observar dois tramos térreos do claustro: "doze arcos quebrados assentes em duplas colunas com capitéis geminados, de feitura muito simples e sem ornamentos; estão dispostos em séries de quatro, ritmados por panos lisos de parede" (Rodrigues & Pereira, 1988: 21 - 24).
Ao século XVI pertencem as restantes partes do claustro. No piso térreo vemos dois tramos "um tanto incaracterísticos, num 'estilo chão' de arcaria ampla de volta inteira", atribuídos aos anos 60 ou 70 de quinhentos (Rodrigues & Pereira, 1988: 21 - 24). Da mesma época são as arcadas do primeiro piso, com colunas de mármore com capitéis muito simples e arcos de volta perfeita em alvenaria. A este século pertencem ainda a portaria do mosteiro voltada à Rua de Santa Clara (com decoração renascentista), a cabeceira da igreja (com cachorrada, janelas de quarto de círculo e esgrafitos) e a fonte de mergulho virada à Rua de Elvas (com arcos geminados separados por um mainel, obra do início da centúria). Desta época é ainda a torre sineira, que funcionava também como mirante, possuindo janelões com adufas, num tom arabizante, e lanternim fenestrado.
Ao século XVIII correspondem várias construções e acrescentos. São de destacar uma fonte em mármore (de secção triangular, situada no centro do claustro), uma capela mandada construir em 1749 por Soror Inês de Santa Clara (no piso térreo do mesmo, ainda com vestígios de decoração mural) e a igreja.
O templo conventual apresenta, como dissemos, a aparência que lhe foi dada em 1797. Abandonado e coberto pela fuligem que ficou de um incêndio ocorrido em 1995, foi restaurado recentemente pelo Estado – para ser de novo ocultado pelas actividades de um grupo de teatro portalegrense, ao qual o templo foi cedido pela Câmara Municipal.
Possui duas entradas laterais: uma virada à habitação monástica; outra virada ao exterior, embora recolhida dentro de um pátio com entrada pela Rua de Santa Clara. Artisticamente cuidada, esta apresenta um portal em mármore no estilo comum do século XVIII, sobrepujado por um janelão com moldura em alvenaria. Decoração em massa reveste também o interior da igreja. Nela merecem relevo o retábulo do altar mor, em talha rococó polícroma - com trono ladeado por dois pares de colunas e frontão interrompido -, e dois púlpitos em alvenaria num estilo semelhante, com elegantes dosséis em madeira entalhada. Ao fundo deste espaço destacam-se as aberturas gradeadas correspondentes ao coro de cima e ao coro de baixo. Em dependências anexas podemos observar alguns azulejos de tapete, do século XVII, e fragmentos de uma pintura mural representando dois santos franciscanos.
O estado de conservação do convento é muito bom. Falta apenas uma utilização digna da arte e do espírito da igreja. O que sobrou do rico recheio do Convento de Santa Clara de Portalegre pode ser visitado no Museu Municipal da cidade, embora a identificação das peças seja nula.

quarta-feira, 10 de outubro de 2007

SENHORA DA PIEDADE

Versão de Carreiras (concelho de Portalegre), recitada por Ana Fernandes Martins, nascida em 1913 e falecida em 1997. Recolhida por Maria da Liberdade Alegria Bruno em 1985. Transcrição de Ruy Ventura.


Ó avé Maria, Mãe da Piedade,
Pedi ao Senhor pela Cristandade.
Pela Cristandade não le sei pedir,
Não sou m'recedora do Senhor m' ouvir.
Do Senhor m' ouvir estas minhas palavras,
Minha alma s' alegra em ver que nos salvas.
Salvador do mundo, que a todos salvais,
Salvai as nossas almas, bendito sejais.
Bendito sejais, bendito São José,
Fugiu c' o Menino lá p'rà Nazaré.
Se eu fosse com ele na sua companhia,
Seria devota da Virgem Maria.
Ó Virgem, ó Virgem, no Céu 'stá c'roada,
Por cima do manto uma c'roa sagrada.
Uma c'roa sagrada de bom coração.
Não nos deixem morrer sem a confissão.
Sem a confissão não havemos de morrer,
Qu' a Virgem Maria nos há-de valer.
Ó Virgem, ó Virgem, no Céu está c'roada
Rainha dos anjos, Mãe de Deus amada.
De passo em passo, de rua em rua,
Se foi sepultar sem culpa nenhuma.

terça-feira, 9 de outubro de 2007

SONHO DE NOSSA SENHORA

Versão de Carreiras (concelho de Portalegre), recitada por Ana Fernandes Martins, nascida em 1913 e falecida em 1997. Recolhida por Maria da Liberdade Alegria Bruno em 1985. Transcrição de Ruy Ventura.


Quando entro na igreja digo esta oração:

Oração de Santa Palma,
Deus me leve corpo e alma.
Entrei pela igreja adentro, [......................................]
estava a Virgem Sagrada vestida d' ouro fino
[......................................] procurando pelo seu Menino,
[......................................] se dormia, se velava.
[......................................] [........................................]
"Meu filho, não durmo nem velo.
Sonhei um sonho que não devia ter sonhado.
[.......................................] 'tavas morto e crucificado."
"Senhora Mãe assim será, Senhora Mãe assim seria."
Quem esta oração disser um ano, dia a dia,
Achará as portas do Céu abertas e a do Inferno nunc' às veria.

quinta-feira, 4 de outubro de 2007



IGREJA DE SÃO JOÃO BAPTISTA
(Alegrete)


 
Sendo por agora impossível encontrar uma data precisa para a primeira edificação da igreja de São João Baptista, matriz da vila de Alegrete, parece-nos segura a hipótese da sua origem remontar ao século XIII, uma vez que nesta centúria foi sede de uma das primeiras comendas templárias no Alto Alentejo (cf. Rosa, 2001: 60)
Construída no interior do espaço fortificado, mesmo à porta principal das muralhas e com entrada por um pequeno adro, o templo que actualmente podemos encontrar é, no entanto, fruto de uma reconstrução ocorrida no século XVI, correspondendo em grande parte a uma interpretação popular dos cânones do chamado "Estilo Chão", expressão dominante do decoro e da austeridade propostos pela Contra-Reforma tridentina. Alguns elementos arquitectónicos e decorativos correspondem, porém, já ao século XVIII.
Da construção medieval pouco ou nada resta, embora seja muito provável que o construtor quinhentista tenha mantido o espírito da planta gótica. Supomos assim (mas sem base documental) que o templo original teria também três naves, com igual número de capelas. Não será difícil pensá-lo, tendo em conta que este modelo foi glosado até à exaustão por todo o país, com exemplos na nossa região (a igreja de Santa Maria de Marvão, vg.). Procedentes da igreja primitiva deverão ser duas das imagens expostas ao culto, ambas em mármore policromado: São Sebastião, do século XV, e Santo António, de inícios de quinhentos (cf. Keil, 1943: 150).
A fachada actual da igreja, virada a nascente, é bastante simples. Alongada, é composta por três corpos, separados por pilastras, correspondentes a igual número de naves no interior; no centro rasgam-se a porta de entrada e uma janela de iluminação. A sul possui uma torre sineira com quatro olhais, rematada por uma pirâmide pentagonal e decorada por quatro pináculos em alvenaria, decoração empregue igualmente na ornamentação do corpo mais a norte.
O interior é, como se disse, é composto por três naves (a que corresponde igual número de capelas fundeiras, intercomunicantes). Os arcos de volta inteira que as dividem assentam sobre colunas toscanas de granito.
A decoração interior da igreja corresponde a alterações ocorridas durante o século XVIII.
A capela-mor, com tecto apainelado quinhentista, possui um retábulo rococó com estrutura muito semelhante à de outros de execução popular existentes na região: trono central (neste caso resumido apenas à abertura) e sacrário, ladeados por dois pares de colunas marmoreadas e por duas peanhas, encimado por um frontão (aqui contracurvado). Nele são veneradas imagens de São João Baptista (uma boa peça do século XVI, com ligações à arte flamenga), de Cristo Crucificado e do Menino Jesus, do tipo "Salvador do Mundo".



Os retábulos das capelas colaterais seguem o mesmo figurino, embora com menor qualidade artística. Possuem camarins envidraçados que resguardam as imagens dos respectivos titulares: do lado do Evangelho o Senhor dos Passos (outrora da Visitação, pertencente à Misericórdia de Alegrete) e, do lado da Epístola, Nossa Senhora da Alegria (antigamente "do Rosário") - ambas de roca. Também a norte existem mais três pequenos altares. O primeiro, dedicado a São Miguel, possui uma pintura sobre tela, com interesse meramente iconográfico, representando a salvação das almas do Purgatório. O segundo, em tosca alvenaria, era dedicado no século XVIII a Santo António, sendo actualmente da Senhora de Fátima. Do terceiro é titular Nossa Senhora do Socorro, representada através de uma escultura maneirista estofada e policromada, dotada de uma intensa expressividade.
Sem coro, esta igreja paroquial de Alegrete possui ainda o seu baptistério, situado no piso térreo da torre sineira, embora actualmente (seguindo os ditames do Concílio Vaticano II) a pia baptismal em granito se encontre à direita da capela mor. O púlpito, ainda observado por Luís Keil no seu lugar ("à esquerda, [...] encostado à primeira coluna junto à capela-mor" (Keil, 1943: 150)), já não existe. De entre os elementos arquitectónicos deste templo merecem ainda referência duas pias de água-benta em mármore, assentes sobre finos colunelos - obras delicadas do século XVI.Para além de tudo isto, o recheio deste edifício compõe-se também de outras peças interessantes e valiosas, nomeadamente alguma ourivesaria (do século XV a setecentos), banquetas barrocas de estanho e várias esculturas em madeira e em pedra, provenientes de igrejas de Alegrete hoje sem culto, em ruínas ou desaparecidas

terça-feira, 2 de outubro de 2007


IGREJA DE SÃO TOMÉ
(Monte da Penha - Portalegre)


São escassas as informações que possuímos sobre a igreja de São Tomé, edificada defronte da cidade de Portalegre, entre os penhascos mais altos do monte da Penha. Neste vazio quase pleno, emergem apenas parcos vestígios e indícios documentais, acompanhados pelas ruínas do templo, ainda hoje observáveis a poucos metros da cruz ali levantada no início do século XX.
Sobre a fundação deste pequeno edifício nada sabemos. Supomos apenas que será anterior ao século XVII. Datando da primeira metade dessa centúria a igreja de Nossa Senhora da Penha, de muito maiores dimensões, parece-nos provável que nessa altura já existisse São Tomé. Só uma maior antiguidade na construção nos leva a compreender que o topónimo pleno com que se designava até há pouco mais de um século o monte onde se ergue ("Penha de São Tomé") faça referência ao apóstolo e não à Virgem, alvo de muito maior devoção local.
Abandonada em data que não conseguimos precisar, posteriormente arruinada, estava ainda ao culto em 1758. Pelas estruturas que se podem observar (a necessitarem de escavação arqueológica e de valorização), tratava-se de um edifício de dimensões muito reduzidas, com três compartimentos. Facilmente identificável, a capela-mor virada a nascente é de planta quadrangular, nela se distinguindo vestígios do arranque de uma abóbada; tratar-se-ia, possivelmente, de uma estrutura em cuba, de inspiração islâmica, com cúpula hemisférica assente sobre pendentes. Para além dela, são ainda visíveis dois outros volumes: uma pequena nave a poente (com entrada lateral virada a sul, guarnecida de cantaria hoje desaparecida) e uma minúscula sacristia.
Há uma tradição antiga que aponta para esta pequena igreja a função de ermitério. É hipótese que não podemos confirmar. Devemos no entanto registar as palavras escritas pelo pároco da Sé em meados do século XVIII:
"[...] desta Ermida [da Senhora da Penha] quazi ao meyo da Penha está outra do Apostollo são Thomé de cuja Ermida não sabemos Padroeyro, nem fundação he muyto acomodada para a vida Ermitica, e nos persuadimos que esta foy a Ermida na qual viveo penitente o veneravel Padre Manoel do Rego oriundo de Portalegre posto que nascido em Alter do chão, e não na Igreja de nossa senhora da Esperança do termo desta cidade como dis o Padre Frey Agostinho de sancta Maria no seu sanctuario Marianno [...]" (Boroa, 1758: 121).
CONDE CLAROS VESTIDO DE FRADE

Versão de Fortios (concelho de Portalegre), recitada por Maria Antunes, de 79 anos. Recolhida em 2001. Transcrição de Ruy Ventura.


"Minha mãe fiz uma aposta, ou de perder ou de ganhar,
De dormir com a Marianinha antes do galo cantar."
"Não apostes, ó meu filho, nem tu queiras apostar.
Marianinha é muito fina, não se deixa enganar."
"Engano-a sim, minha mãe, que ela é boa de enganar.
Em ouvindo uma chalaça, põe-se logo a arreganhar."
José se vestiu de padre pela rua a passear.
Marianinha à janela, é caso de admirar.
"Uma senhora tão nobre a esta hora a passear?
Vou-me embora, Marianinha, já não posso mais esperar."
"Aguarde, senhor, aguarde, queira o senhor aguardar.
Se tarde se lhe fizer, no meu quarto há-de ficar."

Pesquisar neste blogue

Etiquetas

Arquivo do blogue

RAÍZES DE ALGUNS SANTUÁRIOS  DO NORTE ALENTEJANO A minha comunicação deste ano no Congresso Internacional "Terras de Endov...