terça-feira, 9 de dezembro de 2008

LENDA DA SERRA DE MATAMORES
(Fortios)


1

Versão de Fortios (Portalegre), recolhida pelos alunos da Escola Básica do Primeiro Ciclo de Fortios e publicada em http://www.eb1-fortios.rcts.pt/


A serra do Mata Amores teve origem no nome Mato de Mouros.
Dizem as pessoas que em tempos que já lá vão, aparecia nessa zona uma princesa moura, de beleza rara e que vivia nas pedras.
Todos a desejavam ver, mas ela só aparecia na manhã de S. João com um tabuleiro de passas à cabeça para oferecer às pessoas. Diz a lenda que quem entrasse na sua casa ficava encantado e nunca mais regressava.




2


Versão de Fortios (Portalegre) recolhida (em 1984) e publicada por Maria Tavares Transmontano (1997) – Subsídios para uma Monografia de Portalegre, Portalegre, Câmara Municipal de Portalegre: 132.



Dizem que na Serra do Mata Amores, Freguesia dos Fortios – Portalegre, há uma princesa encantada. Aparece a vender passas na manhã de S. João. Quem entrar na sua casa de pedra fica encantado.

A Lenda do Mártir Santo
(Fortios)



1
Versão de Fortios (Portalegre), recolhida pelos alunos da Escola Básica do 1º. Ciclo de Fortios e publicada em http://images.google.pt/imgres?imgurl=http://www.eb1-fortios.rcts.pt/Lenda.jpg&imgrefurl=http://www.eb1-fortios.rcts.pt/terra/capela.htm&usg=__x5XTWiHIFsbMAdQRFokGw6Y5EX0=&h=216&w=310&sz=11&hl=pt-PT&start=6&tbnid=HfEiaKuKxVpQSM:&tbnh=82&tbnw=117&prev=/images%3Fq%3D%2522m%25C3%25A1rtir%2Bsanto%2522%26gbv%3D2%26hl%3Dpt-PT


Diz a lenda que, no ano 700, a capela do Mártir Santo era o sítio onde as pessoas rezavam ao seu santo.
Nessa altura, os reis queriam destruir todas as igrejas.
Um dia, um rei mouro mandou destruir a capela.
As pessoas juntaram-se, na capela, onde rezavam para que nada acontecesse e pedindo um milagre ao seu Santo.
Quando os cavaleiros, que vinham destruir, iam a subir a rua (muito inclinada) aconteceu um milagre: os cavalos não a conseguiram subir, escorregaram e ajoelharam-se, não conseguindo chegar até ao largo.
Assim, a capela passou a chamar-se "Capela do Mártir Santo" e o largo onde se situa também tem o mesmo nome.




2

Versão de proveniência desconhecida, recolhida (em 1984) e publicada por Maria Tavares Transmontano (1997) – Subsídios para uma Monografia de Portalegre, Portalegre, Câmara Municipal de Portalegre: 133.



Diz-se que, em tempos remotos, os inimigos atacaram este povo, e com cavalos, tentaram subir as rochas.
Um homem gritou:
- “Valha-me o Mártir Santo!”…
Os cavalos imediatamente dobraram as patas e não conseguiram subir mais.
Em louvor deste milagre, fizeram a Igreja de S. Sebastião, que ficou sendo o Padroeiro da Freguesia.


quinta-feira, 27 de novembro de 2008

PONTES NA DIVERSIDADE


Houve um tempo, na Península Ibérica, em que todos (ou quase todos) falavam a mesma língua. Não me refiro tanto ao conhecido latim anterior ao século V ou a essa língua popular que, na opinião de alguns autores (Moisés Espírito Santo, por exemplo), seria a sobrevivência de falares orientais, semitas, com raízes nas migrações pré-romanas provenientes da Fenícia ou de Cartago – e que teria subsistido até ao século VI. Penso nos dialectos moçárabes com que os povos peninsulares se entenderam até à Reconquista, frutos de uma sedimentação secular de morfologias, sintaxes e vocabulários provenientes de povos e épocas diferentes, entrançando os ramos nascidos de raízes indo-europeias com outros semitas (árabes, berberes e não só).

As políticas senhoriais acabaram por dividir administrativamente povos unidos durante milénios (Lusitânia, reino visigodo, taifa de Badajoz…). De cada lado os habitantes começaram a adoptar a língua de prestígio dos seus senhores, sobretudo a escrever nessa língua – e, mais uma vez, Babel foi fazendo das suas…

Se lermos, contudo, documentos escritos até aos séculos XVI-XVII em português e castelhano (textos literários ou de outra índole) – perceberemos que as proximidades são mais significativas do que as distâncias. Não por acaso, até as elites desse tempo tinham orgulho em serem bilingues. O povo, esse, fazia o seu caminho paralelo – falando, sem escrever, à sua maneira.

Essa proximidade, muito esbatida até aos nossos dias, não viria no entanto a apagar-se de todo. Há uma faixa de território, traçada de norte a sul, com sessenta-setenta quilómetros de largura (tendo, invisível, uma fronteira pelo meio), em que as coisas se passaram de outro modo. No lado português da Raia, se nos adentrarmos pelas aldeias e vilas mais modestas (menos sujeitas às influências mediáticas…), não é raro encontrarmos pessoas que se orgulham de falar "espanhol" – quando, na realidade, apenas praticam uma "língua franca", de contrabandista, entendida e partilhada para além de Segura ou dos Galegos.

Se estivermos com atenção ao escutarmos o seu "falar de Portalegre – Castelo Branco" (como lhe chamam os linguistas), que pouco tem a ver com a pronúncia da Beira Alta ou com o português "cantado" do Alentejo abaixo de Arronches, começaremos então a surpreender-nos com uma fala em que, pelo menos, houve uma sementeira vocabular trazida pelos célebres "ventos" de Castela, fruto talvez dos contactos mútuos nascidos no contrabando e em muitos matrimónios celebrados ora no lado de cá ora nas igrejas das terras de Alcántara.

Termos que nenhum (ou quase nenhum) dicionário de Língua Portuguesa regista – parecem vir de vozes extremenhas, embora hoje estejam de tal maneira enraizados nos falares e na toponímia que muitos os consideram apenas regionalismos. O orvalho matinal é, por estes lados, "mareia"; um rochedo de grandes dimensões, um "canxo"; um matagal será sempre "matorral"; um pêssego come-se como "malaquetão"; um caminho rural largo é uma "carteira". Um homem aborrecido é "empalagoso"; uma mulher sabida e perigosa, uma "culebra"; se veste uma samarra, usa uma "pelice"; uma criança será sempre um "nino"…

Os exemplos poderiam multiplicar-se por muitas dezenas ou centenas. Faz falta, aliás, um trabalho sistemático de pesquisa e estudo deste fenómeno de intercomunicação linguística, afinal bem compreensível, – antes que a normalização imposta pelos modelos televisivos acabe com toda a riqueza dos nossos povos e seus habitantes.

Afinal, na língua, como noutros domínios – por mais que alguns políticos, a xenofobia e as guerras lutem pela separação – o contacto entre seres humanos trabalhará sempre em prol da ligação, da construção de pontes, primeiro motor do entendimento e da paz.

(Publicado, em tradução castelhana, na revista Imagen de Extremadura)

segunda-feira, 20 de outubro de 2008


O blogue Estrada do Alicerce está a publicar uma antologia de homenagem ao poeta castelo-vidense Cristovam Pavia. Esta iniciativa visa homenagear o filho de Francisco Bugalho, nascido há 75 anos (7 de Outubro de 1933) e falecido há 40 (em 13 de Outubro de 1968), e tem em vista uma futura edição em livro.

terça-feira, 9 de setembro de 2008

RESSURREIÇÃO?


Alguns julgavam-na doente. Outros, já moribunda. Um número deconhecido, mas decerto apreciável, morta e enterrada, embora sem funerais públicos. De facto, uma revista que demora anos e anos a ser publicada inspira cuidados entre os seus leitores. Silêncio quebrado, A Cidade aí está de novo. De boa saúde? O futuro falará… A demora na saída deveu-se, segundo o seu director, a dificuldades no “processo de preparação, contactos e coordenação”. Retira quaisquer responsabilidades à patrocinadora Câmara Municipal de Portalegre que, na opinião (exagerada, mas compreensível) de António Ventura, tem dado “prioridade” às “coisas da cultura” (palavras pouco ou nada partilhadas por muitos portalegrenses que, com desgosto, reconhecem a pobreza dos últimos tempos de gestão municipal da Cultura, com espectáculos no meio de um quase-deserto noutras áreas que mereceriam a sua atenção e interesse).


Oito anos sem publicação deixam as suas marcas. Embora o elenco dos artigos seja globalmente interessante, o conjunto ressente-se na qualidade da revisão dos textos, pois neles se mantiveram marcas de um tempo de redacção excessivamente anterior ao da publicação. Se esse problema não afectou a sua qualidade, tornou-os, no entanto, desfasados em relação à data da revista (2008). A responsabilidade não será decerto de alguns autores, que os terão entregue há mais de meia-década…
Demografia histórica, milagres da Virgem de Guadalupe, paisagem medieval, azulejaria, José Régio, António Sardinha, São Bento de Avis e Galiano Tavares são os temas abordados neste número – num ordenamento espacial na revista de difícil compreensão. Entre eles permito-me destacar o texto sobre os azulejos do convento de S. Bernardo, da autoria de Rosário Salema de Carvalho (que assim continua o estudo deste capítulo da História da Arte na região de Portalegre, no seguimento da investigação dos painéis do Salvador do Mundo, em Castelo de Vide), e um ensaio de Carlos Garcia de Castro intitulado “José Régio e os rapazes do meu tempo” que, a dado passo, refere – como recado a muitos que gostam de citar a “Toada de Portalegre” como interesseiro emblema da cidade:
“[…] É hábito falar-se aqui dum José Régio combinado com a Toada, pelo título da Toada… que lá escreve: Portalegre. Pois pudera! Muitos o fazem de assistência e de função. Mas de Régio só conhecem o nome deste Poema, cuja qualidade própria se expande noutros Poemas e problemas, esses ‘inexistentes’, porque não dizem: Portalegre. Quem nada sabe de Arte (literária ou outra, como acontece) faz da Toada elogio, de proveito ou de Turismo. Porque a ideia com que Régio ficou desta mentalidade (indiscutivelmente enervante), e seu correspondente juízo de gente e população, não é na Toada que no-lo revela, não em poema, mas em prosa de novela, a crónica magistral de Davam Grandes Passeios aos Domingos. Já conhecia e tinha avaliado a alma vicinal de Portalegre, para não querer confundir-se com ela.”

sexta-feira, 25 de julho de 2008


RETRATO DE CONTRABANDISTA


Não tenho a completa certeza. Mas, com 95% de probabilidades, esta contrabandista presa na cadeia de Castelo de Vide na década de 1930 e retratada por Cora Gordon no seu livro Portuguese Somersault, deve tratar-se de Rosária da Conceição, minha tia-bisavó, natural de Carreiras (Portalegre).

sexta-feira, 18 de julho de 2008

JOVEM SEDUZIDA
É DESPREZADA PELO PRETENDENTE

Versão de Fortios (concelho de Portalegre). Transcrição de Ruy Ventura.



CANTIGA

Eu amava uma menina, tinha-lhe muita amizade.
Falava-lhe à meia-noite e todos os dias à tarde.
Um dia lhe perguntei qual era a sua intenção:
"Se não logro carinhos teus, rebento de paixão."
"Se tu lograsses carinhos meus, ai de mim, o que seria?
Matavas o teu desejo, casar comigo não querias."
"Casava, querida, casava. Junto ao pé de quem sou
Tenho o sentido perdido, já não sei onde estou.
Já não sei onde estou, minha terra onde fica.
Remédios para te ver já os não há na botica."
Desceu pela escada abaixo, na mão direita me pegou.
"Boa cama cidadão." Logo ali se deitou.
Logo ali se ajoelhou a um Senhor que ela tinha.
"Os cinco sentidos que eu tenho os emprego em ti menina."
Primeiro era cheirar o cheiro da linda rosa.
Corria-lhe a mão pelo rosto, era coisa preciosa.
Quando foi o nascer da aurora, estava em estado de cair.
"Deixa-me ir daqui embora, antes que me vejam ir.
Não quero que a sua mãe diga que eu vim aqui dormir."
"Vai-te falso, vai-te ingrato, já lograste carinhos meus.
Lá irás ao Purgatório fazer contas com Deus."
"Se eu for ao Purgatório, hei-de ir com boa tenção.
Quero que Deus me perdoe como perdoou ao bom ladrão."
Torradas, boas torradas, eu aqui bem as torrei.
Fazias-te fina comigo, mas eu bem te apanhei.
Torradas, novas torradas, torradas, café, cebola.
Difamei uma bela donzela, casar com ela? Xô rola!
JOVEM PÕE NAMORADA À PROVA

Versão de Fortios (concelho de Portalegre), recitada por Antónia Grilo, de 83 anos. Recolhida em 2001. Transcrição de Ruy Ventura.


CANTIGA


"Onde vais ó padeirinha de pucarinha na mão?"
"Vou à fonte buscar água, olaré, para amassar o meu pão."
"Para amassar o teu pão, padeirinha faz-me um bolinho.
Eu já daqui não abalo, olaré, sem tu me dares um beijinho."
"Um beijinho não te dou, porque não to posso dar.
Se a minha mãe lá souber, olaré, não me faltaria ralhar."
"Se a tua mãe te ralhar, tu não lhe baixes a asa.
Se ela te quiser bater, olaré, tu foges para minha casa."
"Para tua casa não vou. Não tenho lá que fazer.
Se a minha mãe me ralhar, olaré, o meu remédio é sofrer."
"Gosto de ti, ó padeirinha, do teu modo de falar.
Se sempre falares assim, olaré, depressa vamos casar."
JURAMENTO AMOROSO

Versão de Fortios (concelho de Portalegre). Recolha do Rancho Folclórico dos Fortios. Transcrição de Ruy Ventura.

SAIAS DO BALDIO


"Em Portalegre fui caixeiro, na Urra fui lavrador,
N' Alagoa carpinteiro, nos Fortios sou cantador."
"Tens uma voz tão trinada, que me chega ao coração.
Ainda estou na minha casa, já sei que andas na função."
"Ouve lá ó rapariga o que eu agora te digo:
Se tu gostares de mil, quero ter falas contigo."
"Ó cantador afamado, coração de pedra dura,
Mas se falas a verdade o meu peito se aventura."
"Se tu me quisesses tanto como eu te quero de mais,
No caminho se encontravam meus suspiros com teus ais."
"As estrelas miudinhas fazem um céu bem composto.
Já Deus me chegou a tempo de ter amores ao meu gosto."
"Jura, amor, juramos ambos. Façamos jura bem feita.
Jura lá que me hás-de dar na igreja a mão direita."
"Ó meu amor, anda, vamos à igreja dar a mão,
Tapar as bocas ao mundo, descansar meu coração."
JOANINHA E O ESTUDANTE

Versão de Fortios (concelho de Portalegre), recitada por Maria Esteves, de 78 anos. Recolhida em 2001. Transcrição de Ruy Ventura.


CANTIGA

"Olá menina Joaninha." "Boa noite, senhor Joãozinho."
"Está em casa sozinha?" "Estou à espera do meu paizinho."
"Está aqui sempre encerrada, já nunca quer aparecer.
Quando sai vai encantada, ninguém é capaz de a ver."
"Joãozinho, tenha paciência em eu lhe falar assim.
Não lhe deve fazer diferença, que não tem interesse em mim."
"Joaninha, não fales assim. Não digas palavras tais.
Eu não sofro de amor por ti, que é ainda muito mais."
"Joãozinho, eu bem sei que por mim não sofre nada.
Sei que sofre sim por quem, pela sua namorada."
"Namorada hei-de terr quando a Joaninha quiser,
Que eu não me quero prender ao amor de outra mulher."
"As juras do senhor estudante, desculpe eu dizer como são,
São tão firmes como a manteiga quando no focinho de um cão."
"Com essas tuas palavras quase me ias ofendendo.
Ainda um dia vem a saber o que por ti estou sofrendo."
"Joãozinho, eu bem sei que amanhã é doutor.
Eu bem sei que não mereço homem de tanto valor."
DESPIQUE ENTRE DOIS PRETENDENTES

Versão de Fortios (concelho de Portalegre), recitada por Maria José Paulo, de 85 anos. Recolhida em 2001. Transcrição de Ruy Ventura.

CANTIGA DO CARNAVAL

O Manuel e o Joaquim são dois jovens encantados,
Mas têm grandes problemas porque andam sempre zangados.
Não há quem na terra não veja, não há quem na terra não ouça.
Têm um grande problema: disputam a mesma moça.
Não há coisa mais bonita, nem coisa mais engraçada:
A rapariga é catita e eles brigam à desgarrada.
Um quer a Inês para si e diz que a faz feliz.
Outro nada lhe promete e em modo de verso lhe diz:
"Rapariga, pensa bem no que agora te digo,
Que só merece quem tem, eu mereço ficar contigo."
O Manuel já está zangado com a conversa do Joaquim:
"Já que és moço arrogado, chega-te cá para mim.
Ò Joaquim, assenta bem o que eu agora te digo:
Se ela pretende alguém, pretende ficar comigo."
"Dizes que fica contigo, já te digo que tem um preço.
A Inês fica comigo, pois sou eu que a mereço."
"Homem mais burro não conheço, julga que é o primeiro
E que a Inês o pretende porque tem muito dinheiro.
O dinheiro não é tudo, já te vou a ripostar.
Quando se acabar o dinheiro, como a vais governar?"
"Tu tens fala de enganar, e a resposta aí vai:
Quando o dinheiro acabar está o dinheiro do meu pai."
"Eu já te vou a dizer qual a nossa solução:
É preciso é amar, amar é ter coração."
"Se não te dou a razão, quem resolve é a Inês.
Não venhas com frases feitas, já não te digo outra vez."
"Agora tu tens razão e eu já estou decidido.
Vai acabar a discussão, fica contigo ou comigo."
"Sou apenas uma rapariga, não estou aqui para julgar.
Ainda não estou decidida qual dos dois levo ao altar."
E acabou a discussão, um sem fala, outro mudo.
Era apenas reinação que se faz no baile de entrudo.
MARIQUINHAS

Versão de Portalegre. Recitada por Maria Emília Miranda Franco, de 62 anos, natural de Reguengo (concelho de Portalegre). Recolha de Fernanda Franco em Novembro de 2000. Transcrição de Ruy Ventura.


"É chegada a ocasião de encontrar a quem eu queria.
Como passas, Mariquinhas, há muito que ná te via?
Agora que aqui te vejo, já tenho mais alegria."
"Que lhe importa como eu passo, sempre é bem impertinente.
Passe bem ou passe mal, o meu corpo é que o sente."
"Ai, se tu soubesses Mariquinhas, não me falavas assim.
Eu gosto muito de ti, tu é que não gostas de mim.
Dá-me a tua direita mão para séculos sem fim."
"Tenho duas, se lhe dou uma, decerto que fico mal,
Fico maneta de um braço, tenho que ir para o hospital."
"Não é assim como dizes, é falta de entendimento,
É um laço que se dá quando há um casamento.
Dá-me a tua qu' eu dou-te a minha para o nosso arrecebimento."
[..................................................] [.............................................]
DIÁLOGO ENTRE DOIS JOVENS
NA COLHA DA AZEITONA

Versão de Fortios (concelho de Portalegre). Transcrição de Ruy Ventura.

"De cima desta oliveira, vou-te fazer uma procura.
Diz-me cá, ó cantadeira, se a azeitona está madura."
"Valha-te Deus criatura, o que me vens procurar.
Uma mole outra mais dura, toda se tem que apanhar."
"Vai toda para o lagar para fazer azeite fino,
Para o Senhor se alumiar no sagrado altar divino."
"Eu já vi que és muito fino, percebo a tua intenção.
Põe a escada bem a pino, não deites ramos para o chão."
"Devagar se corre a mão, bem firme se põe a escada.
É Inverno, não é Verão, os ramos têm geada."
"Eu estou quase engadanhada, mas ao lume posso ir.
Para cantar à desgarrada, estou aqui para te ouvir."
"Contigo quero discutir para que tu me compreendas.
Não penses que eu vou cair nas malhas da tua renda!"
"A cantar nunca me ofendes, nem queiras imaginar.
Se és vendedor de fazendas, eu não te quero comprar."
"Vamos ter que mudar deste para outro olival.
Temos os panos a dobrar, já se não levam tão mal."
"O encarregado geral já deu ordem de partida.
Se a azeitona for igual, temos uma fega comprida."
"Azeitona bem miúda, fica depois em bagaço.
Cantando se leva a vida, é mais uma quadra que faço."
"Já vou sentindo cansaço de andar com escadas às costas.
Com o meu desembaraço, vou-te arranjando as respostas."
"Por aquilo que demonstras, vejo a tua dignidade.
Já vi que de mim não gostas, cantemos por amizade."
"Para te dizer a verdade, não tenhas essa ilusão.
No cantar não há maldade, no trabalho também não."
"Vamos pedir ao patrão que nos dê acabamento:
Café, fatias e pão, vinho, tomate e pimento."
"E um bailarico, lá dentro do quintal da laranjeira.
Para nosso divertimento nós fazemos a bandeira."
DESPIQUE ENTRE MARIDO E MULHER (2)

Versão de Carreiras (concelho de Portalegre), recitada por Ana Fernandes Martins, nascida em 1913 e falecida em 1997. Recolhida por Maria da Liberdade Alegria Bruno em 1985. Transcrição de Ruy Ventura.


"Deus te salve mulher ingrata, 'inda estás muito bem deitada.
'tás deitada à boa vida e não queres fazer nada,
Nem o jantar me tens feito, está uma boa empada!"
"Por que é que me chamas empada? Diz-me que mal te fiz eu.
Por não ter o jantar feito, podes comer como eu,
Pois se ele não for melhor, pode ser igual ao meu."
"Tu eras mal empregada a não teres um bom jantar.
'tás deitada à boa vida, eu farto de trabalhar,
'inda me dizes, velhaca, qu' eu que t' hei-de governar."
"Se tu assim o não querias, não procuraras tal estado.
Escusava d' agora ter dois filhinhos ao meu lado.
Quer de dia quer de noite, não é pequeno o enfado."
"A grande trabalhadora, com dois filhinhos que tem...
Há tal que tem seis e sete [..........................................]
Tratim deles com' às mais e ajudim seus homens também."
"Triste de quem atura homens, deve-se vestir de graça,
Ter paciência de Job, saber tudo quanto passa.
E os homens todos são maus, todos são da mesma raça."
"As mulheres são umas santinhas, umas falsas criaturas.
Inganim os pobres homens com palavras, formosuras.
Dizem umas certas razões, são cadeias d' imposturas."
"Toma conta dos teus filhos, qu' estão de boa idade,
P'ra me saber governar, tenho boa habilidade."
"O teu pai fez muito mal não te ter metido num convento.
Porque és flor muito mimosa, faz-te mal andar ao vento."
"Não nasci para ser freira nem senhora recolhida,
Só nasci para ser tua, para me dares tão má vida.
[De] contigo ter amores eu já 'tou arrependida."
"Esta mulher é o diabo, não a faço ter prudença.
Não tens emenda na língua, e acabo-te c' a irresistença!"
"Das contas que tu me deres, tu não ficas sem quinhão:
Davas-me uma bofetada, eu dava-te um bofatão,
E vinha o diabo s' eu levava pancadas da tua mão."
DESPIQUE ENTRE MARIDO E MULHER (1)

Versão de Fortios (concelho de Portalegre). Transcrição de Ruy Ventura.


CANTIGA

"Deus te salve mulher ingrata, que estás muito bem deitada,
Nem o jantar me tens feito, estás uma bela empada."
"Por que me chamas empada? Diz-me: que mal te fiz eu?
Por não ter o jantar pronto, tu podes comer do meu.
Além de não ser bom, será assim igual ao teu."
"Tu eras mal empregada de não teres um bom jantar.
Tu deitada à boa vida e eu farto de trabalhar.
Ainda não digas, velhaca, que eu te hei-de governar."
"Pois se tu assim não querias, não tomasses tal estado.
Quer de noite, quer de dia, dois meninos ao meu lado.
Ainda te parece, marido, que é pequeno o meu fado."
"Oh, que grande trabalhadeira, com dois meninos que tem.
A tal tem seis e sete, tratam deles como as mães
[..............................] alinham os maridos também."
"Pois se tu assim não querias, não pedisses à minha mãe
Sem falares com o meu pai [............................................].
Por isso te digo, marido, vai-te embora, não te quero mais."

sexta-feira, 11 de julho de 2008

O PATRÃO E A CRIADA

Versão de Fortios (concelho de Portalegre). Recitada por Rosa Antão Carrilho, de 73 anos. Recolhida em 2001. Transcrição de Ruy Ventura.


"Deolinda, tu não sabes a dor que o meu peito sente,
Em te não vendo em casa, fico logo descontente,
Em ouvindo a tua fala, fico louco de repente."
"Olha a graça do patrão, dá-me vontade de rir.
Não me estejas com chalaças, que a patroa pode ouvir."
"A patroa está dormindo, não ouve o que a gente diz.
Faz o serviço bem feito, que ainda vens a ser feliz.
No dia que eu fizer anos vais comigo a Paris."
"Era agora o que faltava era eu ir para o estrangeiro
Para fazer essa viagem, patrão, não tenho dinheiro.
Tenho os meus três muito certos guardados no mealheiro."
"É por esses três, menina, que tu tens em teu poder.
Qual é que há-de ser o dia em que me os hás-de deixar ver?
Tenho coragem e dinheiro para o mealheiro encher."
"A patroa também tem um mealheiro já usado.
Ainda há pouco que eu lho vi, que está todo escangalhado.
Deve ser do dinheiro que o patrão lá tem deitado."
Assassinato conjugal

A SALA DO MEU RECREIO

Versão de Fortios (concelho de Portalegre), recitada por Maria de Fátima Bicho, de 50 anos. Recolhida em 2001. Transcrição de Ruy Ventura.


"Ai eu fui ao jardim da nora, fui colher a flor do alecrim.
Só tua mãe te criou, lindos olhos para mim."
"Anda minha amiga, anda, comigo dar um passeio.
Vamos comer um jantar à sala do meu recreio."
"À sala do teu recreio, isso não, não pode ser.
É que está lá a tua mulher, que nem à sombra me quer ver."
"Minha mulher não está lá, nem por estes dias vem.
Foi fazer uma visita ao seu pai e sua mãe."
Logo ao primeiro prato, logo ao prato primeiro,
Ela lhe disse para ele quem seria o cozinheiro.
"Come, minha amiga, come, não te faças amarela.
Olha que estás comendo da mais mimosa vitela."
"Da mais mimosa não é, é que ela deita amargor.
Mataste a tua mulher e foste para mim um traidor."
"Matei a minha mulher, e isto para a gente é segredo.
Ai toma lá estes anéis que ela trazia nos dedos."
"Os anéis que tu me deste também te servem a ti.
E mataste a tua mulher e também me matas a mim.
Venha povo, venha povo! Venha povo, venha ver!
Venha também a justiça para este ladrão prender.
Matou a sua mulher e ainda me a veio dar a comer."
Jovem enganada pelo namorado suicida-se

A COSTUREIRA

Versão de Fortios (concelho de Portalegre), recitada por Maria de Fátima Bicho, de 50 anos. Recolhida em 2001. Transcrição de Ruy Ventura.


Trabalhava a costureira uma noite inteira no seu intento
Para deixar concluído o seu vestido de casamento.
De manhã as raparigas, duas amigas da sua infância,
Levaram cravos, rosas, e flores mimosas com abundância.
No civil com atenção, com união, tudo exclamava.
Desmaiava a noiva em saber do noivo ter outra enganada.
Ela foi para o seu quarto e lá de dentro fechou a porta.
Quando foram para a arrombar já foram dar com ela morta.
Com o seu lindo vestido melhor tecido levou ao chão.
E as flores do casamento foi sentido sobre o caixão.

terça-feira, 8 de julho de 2008


Sobre as origens de Santo António das Areias


A zona central e mais antiga de Santo António implanta-se numa suave encosta, maioritariamente, exposta ao poente, drenada por linhas de água de curso sazonal, das quais se destaca o Ribeiro do Lobo e a Ribeira do Tragazal. Ainda que até esta data não tivesse sido identificada qualquer referência a esta aldeia anterior a 1569, poderemos equacionar a hipótese deste lugar ter sido ocupado a partir dos fins do Império Romano. Esta hipótese assenta na estratégia de povoamento da Alta-Idade-Média que se constata na área do actual concelho de Marvão. Com a destruição da cidade de Ammaia e sob a pressão dos Bárbaros, verifica-se, sobretudo a partir dos finais do século V, uma nova forma de ocupação dos solos. Pequenos e médios casais agrícolas começam a estabelecer-se nas encostas suaves, não muito longe de linhas de água, envoltos por terras com alguma aptidão agrícola mas, sobretudo, não muito evidentes na paisagem. A instabilidade política obrigava a alguma precaução. Desses conturbados tempos conhecemos vários testemunhos nas imediações de Santo António das Areias. Destes destacam-se os pequenos habitats da Água da Cuba, da Patinha da Burra, da Asseiceira, da Ranginha, do Lagar dos Frades ou o da Feijoeira. Qualquer destes sítios arqueológicos, infelizmente nunca estudados, apresenta uma implantação orográfica muito semelhante à que se verifica em Santo António. Provavelmente, esta aldeia terá origem num desses habitats que, após a Reconquista Cristã, gradualmente foi crescendo vindo a merecer a edificação de um templo dedicado a S. Marcos.Se lermos as “Memórias Paroquiais” lá encontramos a referência a este templo que se implantaria um pouco acima da actual “Casa do Povo”, não muito longe da velha Fonte da Vala. Esse templo, em torno do qual se constituiu o primeiro cemitério da aldeia, terá sucumbido quando se procedeu à transladação colectiva para o actual, já em inícios do século XX.Embora não tenhamos qualquer informação sobre a data da construção da Igreja de S. Marcos ela seria, seguramente, anterior à de Santo António. Esta presunção assenta na maior antiguidade do culto a S. Marcos e, sobretudo, na memória toponímica que ainda hoje se guarda, por exemplo, em Valência de Alcântara, em relação a esta aldeia. Os mais idosos do lado de lá da fronteira quando se referem à aldeia de Santo António das Areias denominam-na por S. Marcos. Eventualmente, esta antiga toponímia poderá ter, também, alguma relação estreita com a afluência de espanhóis às festas em honra de S. Marcos. Mas, exactamente, a festividade e feira que anualmente se organiza em honra de S. Marcos, a maior e mais concorrida do concelho, comparada com a já muito esquecida procissão em honra de Santo António, parece reforçar a nossa interpretação de que, originariamente, esta povoação terá emergido em torno da desaparecida igreja de S. Marcos e posteriormente, terá então sido construído um novo templo dedicado a Santo António, no sítio das Areias.A nova igreja, provavelmente construída na segunda metade do século XVI, terá originado outra organização urbana em torno do novo e mais amplo templo, contribuindo para a perca de centralidade da de S. Marcos. A data aventada para a edificação da Igreja de Santo António assenta na leitura da inscrição gravada no capitel do cruzeiro onde, com dificuldade, ainda se lê 1569. Se a nossa leitura estiver correcta e se o cruzeiro for contemporâneo da construção da igreja, a data da centúria de setecentos que se mostra gravada na base granítica que sustentou o púlpito que se encontrava no interior da Igreja de Santo António deverá corresponder a uma fase de remodelação ou reconstrução deste templo e não à data da sua fundação.De qualquer forma, esta data da centúria de setecentos é bastante posterior ao mais antigo registo paroquial que se conhece para esta aldeia. Estranhamente, este registo reporta-se a um baptismo datado de 1715. Dizemos estranhamente porque, por norma, os mais antigos registos reportam-se, exclusivamente, aos óbitos. Naturalmente, esta norma aplica-se, essencialmente, aos registos paroquiais mais antigos, datáveis dos finais do século XV e século XVI. Iniciando-se o primeiro livro de registos com um baptismo no ano de 1715 e constando no mesmo livro o assento do primeiro casamento em 1716 e o primeiro óbito em 1722, é provável que esta freguesia tivesse sido constituída no ano de 1715, ou um pouco mais cedo, embora já neste local existissem dois templos mas nenhum deles constituído, até essa data, como sede paroquial. As gentes residentes neste local estariam vinculadas a uma das freguesias sediadas em Marvão, ganhando a sua autonomia apenas no início do século XVIII.


Jorge de Oliveira

quinta-feira, 5 de junho de 2008

JOÃO SILVA DA COSTA

Versão de Carvalhal, freguesia do Salvador da Aramenha (concelho de Marvão), recitada por Maria Josefa Baptista, nascida em 1919. Recolhida por Ruy Ventura em 31.03.2001.

Sexta-feira da Paixão um caso se praticou:
O João Silva da Costa nesse dia se matou.
Nesse dia se matou p'la sua pouca vintura.
Foi lançar o seu pescoço à correia da cintura.
Deixou escrito no seu lenço
(Já 'tou a dezêr mal...)
"Vou fazer este serviço p'rò meu nome s' acabar.
Não me ponham jé mais faltas, por isso me vou matar."
Deixou escrita no lenço, é porque sabia ler:
"Vão dezêr à Fastina, que me venha também ver."
(Era a namorada dele.)
"Vem cá Maria, vem cá a ver o nosso João!"
Os gritos que ele dava erim gritos d' aflição.
"Vem cá Maria, vem cá, que está nosso filho morto,
Junto à Festa de Flores causou um grande desgosto."
"Mandim dezêr à Fastina que me venha também ver.
[......................................] [........................................]
[......................................] minha bela rapariga,
Levo-a no coração, adeus para toda a vida.
Adeus para toda a vida, adeus para nunca mais,
Levo no meu coração são os meus queridos pais.
Levem-me p'rò Porto Espada, dêem gritos de aflição,
Darei o meu último adeus a quem fechér meu caixão."
Coradas, novas coradas na flor da laranjeira.
Quem lhe fechou o caixão foi uma moça solteira.
Tudo isto aconteceu cá no sítio da Rebêra
[......................................] [........................................]
(Onde mora o ti' Julo.)
(A mesma que fez o outro [verso] foi a Emila Salgueira, mulher do meu primo Baptista.)
SOLDADO ESQUECIDO PELA NOIVA
EXPÕE-SE À MORTE NA BATALHA

Versão de Carvalhal, freguesia do Salvador da Aramenha (concelho de Marvão), recitada por Maria Josefa Baptista, nascida em 1919. Recolhida por Ruy Ventura em 31.03.2001.

António, que levara para a guerra um pombo de correio encantador
P'ra mandar notícias parà terra à sua noiva amada, Lianor.
À hora da partida o juramento. Ele disse a chorar: "Deus te dê sorte!"
[..............................................] Ela jurou ser dele até à morte.
E um dia pelo pombo, entre promessas, mandou-lhe dizer tristes infindas:
"Sou teu, sou pela Pátria, não me esqueças, sou vivo e se morrer sou teu ainda."
Um dia estando ele muito desorto, vendo o retrato dela, nostalgia,
Quando lhe cai aos pés um pombo morto com um simples bilhete que dizia:
"Cobrei meu juramento, eu bem sei, e tu não voltas mais à nossa terra.
Esquece-te de mim, qu' eu já casei. Desejo-te que sejas feliz aí na guerra."
António gargalhou em voz tremente, deu gritos cheio de raiva, cheio de dor.
Expôs o peito ao fogo heroicamente, morreu sempre a chamar p'la Lianor.
MARIA FERNANDES PEREIRA

Versão de Carvalhal, freguesia do Salvador da Aramenha (concelho de Marvão), recitada por Maria Josefa Baptista, nascida em 1919. Recolhida por Ruy Ventura em 31.03.2001.

No dia dez de Janeiro houve uma grande paixão:
Maria Fernandes Pereira foi p'ra debaixo do chão.
Seu pai se vestiu de luto com uma grande ternura.
"Filha do meu coração, já lá vais p'rà sepultura!"
Sua mãe dava gritos, que todo o povo esturgia.
"Eras das mais lindas moças que nos Galegos havia."
(E ela era até a mais bonita de todas!)
A sua mana mais velha, que tinha grande paixão:
"Vais gozar a mocidade para debaixo do chão!"
(Fez vinte anos debaixo do chão.)
E a sua mana mais nova tinha grande sentimento.
"Adeus minha querida mana, foste nossa pouco tempo.
Criou-te Nossa Senhora para nossa companhia.
Deixas a nossa família, nunca mais tem alegria."
Coradas, novas coradas, raminho de laranjeira,
("uma flor de laranjeira", tanto faz!)
Tinha grande nomeada Maria Fernandes Pereira.

(A Maria Pereira era moça do meu tempo.)

quinta-feira, 8 de maio de 2008


A teoria não me parece consensual, mas este artiguinho sobre a igreja de Nossa Senhora da Penha de Castelo de Vide merece ser arquivado.

quinta-feira, 24 de abril de 2008

JOVEM SEDUZIDA
CONVENCE O NAMORADO A CASAR

Versão de Fortios (concelho de Portalegre), recitada por Joaquim Antunes Vicente, de 73 anos. Recolhida em 2001. Transcrição de Ruy Ventura.


DESPIQUE ENTRE RAPAZ E RAPARIGA

"Ó José, ó Josezinho, tu por aqui a passear?
Parece que de mim foges só para não me vires falar."
"Olha lá, ó Carolina, eu não escuto paixões.
Fala lá para quem quiseres, não quero cativações."
"Quando eras pequenino, eras muito meu amigo.
Fugias à tua mãe só para vires brincar comigo."
"Nesse tempo de criança eu brincava sem maldade
E agora eu não brinco, porque já não tenho vontade.
Ah, ah, ah! Deixa-me rir da boneca enfeitada.
Se não fossem os arreios, não valias uma pitada."
"O maroto e o atrevido, já de mim fazem mangação.
Quantas vezes pelo Céu me prometeste a direita mão!
Agora dizes que não, eu cá sigo o meu intento.
Quantas vezes pelo Céu me prometeste casamento!"
"Escuta lá, ó Carolina, esse teu falar sem tempo.
Mulheres bonitas e boas sempre ganham para o sustento."
"Já meu pai me abandonou, já de mim ninguém tem dó.
Se tu não casares comigo, vou para o fadinho liró."
"Anda cá, ó Carolina, tu é que és a minha amante.
Ainda hoje te vou receber. Quem quiser cantar, que cante."
Torradas, boas torradas. Por cima levam café.
Ainda bem que venceu a Carolina e o José.

segunda-feira, 17 de março de 2008

CARREIRAS
segundo Maria Guadalupe
(in Fonte Nova, de 15 de Março)


Depois de lembrarmos a Anta de "João Martins" e de sabermos da existência dum povoado do Neolítico na zona do Veloso que a memória colectiva não perdeu, podemos afirmar que a Freguesia de Carreiras foi habitada desde tempos imemoriais.
No entanto, nós propusemo-nos estudar o nascimento e desenvolvimento de uma paróquia, o que aconteceria milhares de anos depois.
E teremos de voltar aos tempos florescentes de Ammaia para continuarmos a contar com clareza "histórias" da história.
No número especial da grande revista Ibn Manuan intitulado "São Salvador de Aramenha/História e Memórias da Freguesia" com coordenação de Jorge Oliveira, lê-se: "... só com a chegada do domínio romano, esta zona foi efectivamente ocupada de forma expressiva"
E ainda: "Assim, o contacto com a civilização romana... viria a marcar irreversivelmente a história da freguesia* e da região"
Ora quem fala de Paróquia fala automaticamente de Cristianismo e é durante o domínio romano que esta religião chega à Península Ibérica.
É no Império Romano que surgem as Dioceses que serão divididas em Paróquias no século IV da nossa era.

* freguesia - referência a S. Salvador de Aramenha
Bibliografia
Civilização Cristã - Larousse
Círculo de Leitores - 2000
IBN Maruan - nº 13
São Salvador de Aramenha/História e Memórias da Freguesia - Coordenação de Jorge Oliveira

terça-feira, 11 de março de 2008

CARREIRAS
segundo Maria Guadalupe Alexandre
(in Fonte Nova, de 4/3/08)


Referimo-nos, no último texto a propósito das Antas, ao Neolítico como fase do desenvolvimento das sociedades pré-históricas que implicava o sedentarismo, logo a construção de povoados.
De há muito sabíamos do de Castelo Velho no Norte do concelho de Castelo de Vide e daquele que faz parte "do complexo ocupacional dos Vidais" no concelho de Marvão.
Mas o que especialmente nos interessa é que especialmente nos interessa é que há cerca de 20 (?) anos o arqueólogo Professor Jorge Oliveira fez na zona do Veloso, Freguesia de Carreiras, uma escavação, segundo o referido investigador "pouco conclusiva", mas que permite afirmar que ali existiu um povoado Neolítico.
O Historiador encontrou várias mós e uma delas muito especial "ornamentada" com umas pequenas covas que gostaria de "voltar a estudar".
Estes achados encontram-se em Castelo de Vide, em local julgado propício para a sua conservação, aquando das descobertas.
Interessante notar que em 1992, Ana Fernandes Martins, contou a Ruy Ventura uma lenda de carácter religioso, na qual "um cabreiro... morava lá para o pé do Veloso onde era antigamente o povo...".

Agradecimentos especiais
Ao Professor Doutor Jorge Oliveira que se dignou comunicar por mail e à Drª Carla Miguéns que fielmente transmitiu a comunicação.

Bibliografia
Ventura, Ruy - Contos e Lendas da Serra de S. Mamede - Antologia Breve

quarta-feira, 5 de março de 2008


IBN ON LINE

É uma iniciativa louvável a todos os títulos. A Câmara Municipal de Marvão decidiu colocar em linhas os números esgotados da revista cultural Ibn Maruán. Aqui.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

CARREIRAS
segundo Maria Guadalupe
(in Fonte Nova, de 16/02/2008)


Terminámos o último artigo com a certeza de que os Celtas andaram pelas Carreiras.
Vamos hoje recuar mais ainda no tempo, porque testemunhos importantes a isso nos obrigam.
Cumprimos gostosamente esse dever.
Não poderemos esquecer a Anta do "João Martins" que nos leva a pensar na ocupação humana do território da freguesia há cinco mil anos, nem que os concelhos de Castelo de Vide e de Marvão são ricos destes monumentos.
No primeiro foram estudados pela Drª Maria da Conceição Monteiro Rodrigues, 24; no segundo o professor da Universidade de Évora Dr. Jorge Oliveira descreveu 25.
São as antas formadas por grandes pedras (megálitos) colocadas ao alto, encimadas, por uma laje chamada chapéu, formando a câmara. Desta partia, por vezes, um corredor, construído também com grandes pedras e coberto por outras. Tratam-se de monumentos sepulcrais.
No interior conservam-se frequentemente ossadas humanas, acompanhadas por recipientes de cerâmica, objectos de pedra talhada e polida e "outros artefactos de cariz simbólico".
Desconhecem-se "as razões que poderão estar na selecção dos que a este tipo de sepulcro tinham direito", mas é evidente que nem todos os membros da comunidade eram assim tumulados.
As antas pertencem ao Neolítico, fase do desenvolvimento técnico das sociedades pré-históricas correspondente ao sedentarismo, início da agricultura, criação de gado, etc.
Na América, na China, no Sudeste Asiático e no próximo Oriente relacionam-se com a origem deste modo de vida vários focos de desenvolvimento.
É possível que nas Carreiras existam outras antas semi-destruídas ou quase irreconhecíveis de cuja situação se poderão lembrar ainda os mais velhos.

Bibliografia
Nova Enciclopédia Larousse - Círculo de Leitores, 1998
Oliveira, Jorge - Antas e Menires do Concelho de Marvão - IBN MARUAN, nº 8, 1998
Rodrigues, Mª Conceição Monteiro - Carta Arqueológica do concelho de Castelo de Vide, 1976

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Um exemplo discreto
(in O Distrito de Portalegre, de 31/1/2008)


José Régio quis escrever em 1941 as linhas seguintes: “Muitas vezes tenho pensado com tristeza [...] que bem escassos são em Portalegre os interesses de ordem intelectual, cultural, espiritual.”. Essa opinião, com matizes mais profundos, não andava longe da impressão fugaz de Fernando Pessoa, que em Portalegre estacionou em 1909 e numa carta afirmara: “Portalegre é um lugar em que tudo quanto um forasteiro pode fazer é cansar-se de não fazer nada. As suas qualidades componentes parecem-me conter [...], em quantidades relativas e incertas, calor, frio, semi-espanholismo e nada.”. Mais acutilantes haviam sido as frases do magistrado e contista Trindade Coelho que, no final do século XIX, assim escreveu: “Em Portalegre estive 4 anos [...]. / A terra era muito política (no pior sentido desta má e feia palavra!) – e o partido que estava no governo começou logo a embirrar comigo, porque eu, no exercício do meu cargo, cortava a direito sem querer saber de política nem de políticos...
Tantos anos passados, muitos aspectos terão melhorado. Mas, como provam até à saciedade os textos literários, sociológicos e históricos de diversos autores, se “a alma do Homem é que dá corpo à cidade”, continuam a existir em Portalegre fenómenos preocupantes pelo seu atavismo, pelo seu fechamento, pela sua falta de exigência ética, moral e cívica, pela maneira como mostram uma sociedade em que o mérito, a liberdade e a democracia são ainda, em grande parte, uma miragem. Só assim se explica que, aí, continuem existindo, impunes, instituições públicas que utilizam o dinheiro dos contribuintes na promoção de medíocres e na valorização de cidadãos cujas más acções são conhecidas, poderes ilegítimos que dominam e manipulam os legítimos, meios de censura velados mas eficazes. A situação é inquietante. No meio desse negrume, salvam-se felizmente alguns exemplos de acção pública que, mesmo discretos, conseguem iluminar nesgas do viver social.
Entre esses cidadãos que, pela sua simples presença, já constituem marcas positivas, poderia salientar vários, uns falecidos (como Baptista Tavares ou Amorim Afonso), outros felizmente ainda vivos (como Nicolau Saião ou Garcia de Castro). Quero, no entanto, sublinhar neste artigo João Ribeirinho Leal. O pretexto é o seu milésimo “Ponto de Vista”, mas esta coluna (caso de longevidade na imprensa regional) é apenas uma das formas de expressão da actividade de um cidadão que, sem pretensões, se tem preocupado sobretudo com a sua coerência e com o seu exemplo cívico.Podemos gostar ou não de quanto escreve, de quanto diz na rádio, de quanto desenvolve e apoia na região, mas um defeito que nunca lhe apontaremos é o da falta de estrutura vertebral. A sua acção, já com algumas décadas, submete-se sempre ao imperativo testemunhal. E dar testemunho, para Ribeirinho Leal, é promover a Justiça, num labor que procura iluminar – mesmo com meios modestos – os exemplos humanos positivos da sociedade regional em que vive e as facetas menos desagradáveis de alguns seres com que se depara. Como cristão, não receia ainda denunciar comportamentos indignos ou desumanos que é preciso expulsar da vivência do dia-a-dia. Para tudo isto, rompe (discretamente) cortinas de fumo produzidas por quantos desejam lançar no esquecimento os méritos que relevam, por contraste, a sua mediocridade ou a sua maldade. Isto (e não é pouco...) lhe deve Portalegre e o seu distrito – logo, todos nós, que nesse espaço vivemos ou a ele estamos ligados. Exemplos como o dele (mesmo discretos), sendo raros, devem ser aplaudidos e acarinhados, para que possam multiplicar-se.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Nicolau Saião

"Em Portalegre cidade"... ou Portalegre no seu melhor

Não é todos os dias que, na chamada grande imprensa, o nome da cidade de Portalegre é citado. Em geral costuma ser pelos motivos menos positivos: um burlão que é apanhado com a doutorice na botija, um desastre ou um assalto perpetrado em plena luz do dia na rua mais concorrida da terra, um grupo de funcionários/polícias que, por denuncia do seu comandante da altura, é investigado e (processado?) por se ter enredado em "ligações perigosas" com comerciantes, um caso momentoso no hospital, noutra entidade funcionalista, ou a derrocada súbita duma casa entaipando quem lá morava...
Verdade seja que lá de vez em quando também aparecem citados, ainda que ao de leve, acontecimentospositivos de relevo: um prémio atribuído, à autarquia e ao arquitecto, pela recuperação de um edifício histórico integrado na renovação da cidade, os sucessos de autores de reconhecido mérito (em geral depois discriminados portas adentro, porque não interessa que façam concorrencia aos "galhetas" semi-intelectuais), um alto empresário que, segundo consta, virá para cá trabucar, um bispo novo que vai ser para cá nomeado, etc...
Enfim, creio que me faço entender.
Por isso, é sempre com alvoroço que o nosso coração portalegrense se põe a palpitar ao toparmos - ainda para mais sem o esperarmos - num grande órgão de comunicação, com quaisquer notícias sobre a região lagóia. Foi o que me sucedeu em relação a esta que aqui se deixa e na qual Jorge Isidro, presidente do clube que também é do meu coração, mesmo familiar pois que todos os meus filhos nele jogaram, fala sem papas na língua - o que só lhe fica bem e é exemplo que por ali deve estimular-se.

"[...]
Em poucos anos o Estrela de Portalegre passou do céu ao inferno futebolístico. O mesmo clube que em 2001/02 colocou o nome no livro do Guiness, depois de 19 vitórias consecutivas na III Divisão, está agora no último lugar desse mesmo campeonato, sem qualquer vitória conquistada.
[...]
Em 16 jogos foram somados apenas três pontos, fruto de empates. Tudo o resto foram derrotas. Entre os adeptos, por certo, reina a saudade da época gloriosa do início da década, mas para o presidente Jorge Isidro é esse feito que explica os problemas actuais.
«Preferia que essa época nunca tivesse acontecido. Nesta altura o Estrela estava nos primeiros lugares da III Divisão e com as contas em dia. Nesses anos gastou-se muito dinheiro, o que desequilibrou as contas do clube», explicou o dirigente, em conversa com o Maisfutebol.
Quando o Estrela de Portalegre ganhou mediatismo nos jornais, Jorge Isidro ainda não era presidente. Entrou para a presidência do clube em 2003, e foi logo obrigado a tomar uma decisão difícil.
«O clube ficou em 2º lugar na segunda divisão, muito perto de conseguir à subida à Liga de Honra. Aceitei o desafio de assumir a presidência e tentar equilibrar as contas, mas o cenário que me foi apresentado era três vezes pior do que eu julgava. Decidi que não havia condições para fazer uma equipa competitiva e fomos para os distritais», explica.
As portas dos campeonatos profissionais fecharam e o Estrela foi parar ao Campeonato Distrital de Portalegre. Em termos desportivos a decisão teve efeitos muito negativos, mas o líder do clube considera que havia factores mais relevantes a ter em conta. «Construir uma boa equipa é fácil. Mas depois temos de pagar às pessoas. Temos de ser honestos. Não posso pagar só dois meses», explica.
Equipa made in Portalegre
Filipe Romão, um dos capitães de equipa, partilha da opinião do presidente. O jogador considera que «o recorde resultou na destruição do clube». «Não se consegue isso com uma equipa dita normal. Isso trouxe problemas financeiros», disse ao Maisfutebol.
O defesa frisa que o emblema alentejano tem as contas todas em dia, mas o rigor orçamental explica as limitações desportivas. «Agora o clube limita-se a ter jogadores do distrito. Só há um ou dois de fora porque ninguém quer vir para aqui a ganhar pouco», conta.
Apesar de estar em último lugar da Série E, com 13 derrotas, o Estrela de Portalegre não tem sofrido muitas goleadas. «O nosso resultado mais pesado foi 4-1, em Câmara de Lobos. Trabalhamos todos os dias para alcançar um resultado positivo mas não temos sido felizes. Não há explicação para isso, é uma frustração muito grande».
"

quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

JOVEM ESPERA PELO NAMORADO
QUE MORREU NA GUERRA

Versão de Carvalhal, freguesia do Salvador da Aramenha (concelho de Marvão), recitada por Maria Josefa Baptista, nascida em 1919. Recolhida por Ruy Ventura em 31.03.2001.


Maria José
Que ainda se vê
Guardando o seu gado
Que adorava e cria
[..................................]
[..................................]

De tantos amores,
Esses dois pastores
Davim que falar.
Pelos trigais [...]
Quando se zangavam,
Punham-se a cantar.

"Dá-me um beijo Zé Maria,
Qualquer dia casaramos.
[.........................................]
Tenho fé nesse dia, que alegria!
Lá 'tá toda a freguesia
No casório da Maria mais do Zé."

Mas um dia a guerra
Foi buscar à terra
O bom Zé Maria.
Ele foi-se embora.
Ao longe a pastora
'Inda le dezia:

"Qualquer dia voltarás,
Eu tenho fé."
Mas quando o mal findou
Voltou a alegria,
Mas o Zé Maria
Nunca mais voltou.

E hoje a pastora
Sorri, canta e chora,
Vive na esperança
De ver um dia
O Zé Maria
Que morreu em França.

(Aprendi com uma rapariga que aprendeu com uma pessoa mais velha. Isto passou-se na Guerra da França.)

Pesquisar neste blogue

Etiquetas

Arquivo do blogue

RAÍZES DE ALGUNS SANTUÁRIOS  DO NORTE ALENTEJANO A minha comunicação deste ano no Congresso Internacional "Terras de Endov...