quinta-feira, 5 de junho de 2008

JOÃO SILVA DA COSTA

Versão de Carvalhal, freguesia do Salvador da Aramenha (concelho de Marvão), recitada por Maria Josefa Baptista, nascida em 1919. Recolhida por Ruy Ventura em 31.03.2001.

Sexta-feira da Paixão um caso se praticou:
O João Silva da Costa nesse dia se matou.
Nesse dia se matou p'la sua pouca vintura.
Foi lançar o seu pescoço à correia da cintura.
Deixou escrito no seu lenço
(Já 'tou a dezêr mal...)
"Vou fazer este serviço p'rò meu nome s' acabar.
Não me ponham jé mais faltas, por isso me vou matar."
Deixou escrita no lenço, é porque sabia ler:
"Vão dezêr à Fastina, que me venha também ver."
(Era a namorada dele.)
"Vem cá Maria, vem cá a ver o nosso João!"
Os gritos que ele dava erim gritos d' aflição.
"Vem cá Maria, vem cá, que está nosso filho morto,
Junto à Festa de Flores causou um grande desgosto."
"Mandim dezêr à Fastina que me venha também ver.
[......................................] [........................................]
[......................................] minha bela rapariga,
Levo-a no coração, adeus para toda a vida.
Adeus para toda a vida, adeus para nunca mais,
Levo no meu coração são os meus queridos pais.
Levem-me p'rò Porto Espada, dêem gritos de aflição,
Darei o meu último adeus a quem fechér meu caixão."
Coradas, novas coradas na flor da laranjeira.
Quem lhe fechou o caixão foi uma moça solteira.
Tudo isto aconteceu cá no sítio da Rebêra
[......................................] [........................................]
(Onde mora o ti' Julo.)
(A mesma que fez o outro [verso] foi a Emila Salgueira, mulher do meu primo Baptista.)
SOLDADO ESQUECIDO PELA NOIVA
EXPÕE-SE À MORTE NA BATALHA

Versão de Carvalhal, freguesia do Salvador da Aramenha (concelho de Marvão), recitada por Maria Josefa Baptista, nascida em 1919. Recolhida por Ruy Ventura em 31.03.2001.

António, que levara para a guerra um pombo de correio encantador
P'ra mandar notícias parà terra à sua noiva amada, Lianor.
À hora da partida o juramento. Ele disse a chorar: "Deus te dê sorte!"
[..............................................] Ela jurou ser dele até à morte.
E um dia pelo pombo, entre promessas, mandou-lhe dizer tristes infindas:
"Sou teu, sou pela Pátria, não me esqueças, sou vivo e se morrer sou teu ainda."
Um dia estando ele muito desorto, vendo o retrato dela, nostalgia,
Quando lhe cai aos pés um pombo morto com um simples bilhete que dizia:
"Cobrei meu juramento, eu bem sei, e tu não voltas mais à nossa terra.
Esquece-te de mim, qu' eu já casei. Desejo-te que sejas feliz aí na guerra."
António gargalhou em voz tremente, deu gritos cheio de raiva, cheio de dor.
Expôs o peito ao fogo heroicamente, morreu sempre a chamar p'la Lianor.
MARIA FERNANDES PEREIRA

Versão de Carvalhal, freguesia do Salvador da Aramenha (concelho de Marvão), recitada por Maria Josefa Baptista, nascida em 1919. Recolhida por Ruy Ventura em 31.03.2001.

No dia dez de Janeiro houve uma grande paixão:
Maria Fernandes Pereira foi p'ra debaixo do chão.
Seu pai se vestiu de luto com uma grande ternura.
"Filha do meu coração, já lá vais p'rà sepultura!"
Sua mãe dava gritos, que todo o povo esturgia.
"Eras das mais lindas moças que nos Galegos havia."
(E ela era até a mais bonita de todas!)
A sua mana mais velha, que tinha grande paixão:
"Vais gozar a mocidade para debaixo do chão!"
(Fez vinte anos debaixo do chão.)
E a sua mana mais nova tinha grande sentimento.
"Adeus minha querida mana, foste nossa pouco tempo.
Criou-te Nossa Senhora para nossa companhia.
Deixas a nossa família, nunca mais tem alegria."
Coradas, novas coradas, raminho de laranjeira,
("uma flor de laranjeira", tanto faz!)
Tinha grande nomeada Maria Fernandes Pereira.

(A Maria Pereira era moça do meu tempo.)

Pesquisar neste blogue

Etiquetas

Arquivo do blogue

CASTELO DE VIDE CONVENTO DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO "Tem esta villa Convento dos Recoletos de sam Francisco fumdado e do...