quarta-feira, 28 de junho de 2017





UM SIMÃO RODRIGUES EM ESCUSA

(apontamento de Vítor Serrão)


A igreja da aldeiazinha de Escusa, na serra de Marvão, conserva na parede esquerda, acima da porta lateral, um retábulo maneirista da autoria de Simão Rodrigues (c. 1555-1629). Encaixilhados numa mesma moldura retabular, representam-se: ao centro, 'Nossa Senhora da Piedade', nos painéis da esquerda 'São Francisco recebendo os estigmas' e 'Santo António e o milagre eucarístico'; e nos painéis da direita 'São Boaventura' e 'São Jerónimo'. As pinturas, de cerca de 1600, mostram as típicas qualidades de desenho e a fidelidade a estilemas muito pessoais, sempre presentes ao longo da vasta obra de Simão. Apesar do escurecimento sofrido e dos estragos do tempo, apresentam-se sem visíveis repintes. Simão Rodrigues foi um dos artistas mais estimados e fecundos do último Maneirismo português, activo já numa fase em que os cânones do Concílio de Trento impunham uma grande produção seriada de conteúdo didascálico, e este retábulo marvanense não foge à regra. Deve datar de um dos momentos em que Simão trabalhou, com a sua oficina, para Elvas (São Domingos e Sé) e para Portalegre (Sé), deixando obra importante na região. Este retábulo, de há muito nessa modesta igreja (onde já em 1943 Luís Keil o regista, sem saber contudo o seu autor), parece que procede originariamente do convento de São Francisco de Castelo de Vide (depois Lar de Nossa Senhora da Esperança), cujo espólio se dispersou no século XIX, após a exclaustração. A temática franciscana de três dos painéis sugere que a tradição tenha fundamento e, nesse caso, o retábulo hoje em Escusa seria dessa origem, justificada pela proximidade da aldeia à vila de Castelo de Vide, da qual dista poucos quilómetros. Com a extinção das ordens, teria sido ofertado pela Diocese a uma freguesia pobre, como Escusa, ficando desde então esquecida dos estudiosos. A peça merece, sem dúvida, cuidados de conservação e o devido estudo histórico-artístico.

In Facebook.

Sem comentários:

Pesquisar neste blogue

Etiquetas

Arquivo do blogue

Em defesa do património religioso   – agir é preciso... E depressa! Foi há um par de anos. Entrei na loja de uns missionários...